SRPCBA

Grupo de trabalho que estuda modelo de financiamento das associações de bombeiros apresenta resultados em seis meses

  • 09, Janeiro de 2018

O Secretário Regional da Saúde garantiu hoje, em Angra do Heroísmo, que tudo será feito para se alcançar um novo modelo de financiamento para as associações humanitárias de bombeiros nos Açores, acrescentando que já foi remetida a estas instituições uma proposta de aumento da comparticipação mensal referente ao Serviço de Transporte de Doentes em Ambulância.

O grupo que estuda o modelo de financiamento das associações humanitárias de bombeiros dos Açores foi constituído em novembro de 2017 e está encarregue de elaborar relatórios trimestrais e um relatório final da sua atividade.

“O Governo Regional cumpre, assim, o seu compromisso de colaborar com as associações e com os municípios, que terão um papel fundamental num modelo de financiamento futuro para que consigamos chegar a uma plataforma de entendimento”, afirmou Rui Luís, em declarações à margem da primeira reunião deste grupo de trabalho.

Deste grupo fazem parte o Presidente do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores e representantes da Federação de Bombeiros dos Açores, da Associação de Municípios dos Açores, do Fundo Regional de Apoio à Coesão e Desenvolvimento Economico e das direções regionais dos Transportes e da Saúde.

Rui Luís salientou a necessidade de criar um modelo de financiamento próprio adaptado à Região, já que o modelo de financiamento a nível nacional não contempla as especificidades dos Açores.

“As necessidades e o âmbito de abrangência das corporações de bombeiros do continente é diferente dos Açores. Nós estamos espalhados por nove ilhas e, portanto, é fundamental observar quais são as necessidades das corporações de bombeiros”, frisou.

O titular da pasta da Proteção Civil destacou também a expansão do turismo nos Açores como exemplo de uma nova realidade a ter em consideração.

“A prática de atividades náuticas e de laser por turistas faz com que surjam percalços. É responsabilidade da Região socorrer essas pessoas e é preciso que este serviço seja devidamente remunerado aos bombeiros”, afirmou Rui Luís.

Para o Secretário Regional, será necessário acautelar estas situações, nomeadamente ao nível da sua regulamentação e seguros, pelo que o grupo de trabalho também deverá ter em consideração estas novas realidades na definição de um novo modelo de financiamento para as associações humanitárias de bombeiros.

GaCS/MS

Imprimir